domingo, 27 de fevereiro de 2011

UM OLHANENSE EM DESTAQUE

Filho de peixe sabe nadar
RUBEN FARIA, com 36 anos de idade, natural e residente em Olhão, piloto de moto, conta já com quatro participações no RALI DAKAR
O seu pai, um ciclista profissional mas sobretudo um apaixonado por Motocrosse, desde muito cedo lhe incutiu o gosto pelas motos tendo-lhe fabricado uma “Zundap” pequena, automática, quando apenas tinha 5 anos de idade.
Desde então foi a grande paixão pelas motos e por tudo o que a elas está associado.
Com 8 anos começou a participar em campeonatos infantis.
Fez campeonatos nacionais de Motocrosse, passou pelo “Enduro” e pelo “Todo-o-Terreno” e mais tarde para as “Bajas" Africanas e Sul-Americanas, até chegar ao DAKAR.
Foi campeão Nacional de Motocrosse em 1992 e de Supercrosse em 1996.
Venceu o Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno em 1999 e em 2000 e foi vice-campeão desta modalidade em 2003,2005 e 2006.
O Piloto Ruben Faria terminou o Dakar Argentina-Chile, em 8º lugar.


PARABENS RUBEN....

sábado, 26 de fevereiro de 2011

BOA COMIDA E FADOS

Comida tradicional algarvia e um “cheirinho” a fados…

É na ADEGA NUNES, em São Brás de Alportel, mais concretamente no sítio da “Barracha”, todos os sábados à noite.
É verdade, come-se bem (a comida muito bem confeccionada), pratos deliciosos, tipicamente algarvios, quer da zona serrana, quer do litoral, tais como o chamado “jantar de grão”, ou “jantar de feijão”; “os carapaus alimados” e outras iguarias que qualquer algarvio que se preze, adora, mas que também fazem as delícias dos forasteiros.



Quanto aos fados, é presença constante o Professor Rui Tenório, que se acompanha a si próprio à viola, mas que, a qualquer um que saiba e queira cantar o fado, de imediato se disponibiliza para um ligeiro ensaio, ali mesmo, conseguindo muitas vezes, proporcionar aos presentes uma agradável noite de fados.
Aqui fica o registo de uma dessas noites bem passadas na ADEGA NUNES com o fado “MARIA MADALENA”, interpretado pelo já referido “fadista de serviço” – Professor Rui Tenório.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

PEDRO TAMEN

VENCEDOR DO PRÉMIO  LITERÁRIO 2011
“CORRENTES D’ESCRITAS”

Poeta e Tradutor Literário Português, Pedro Mário Alles Tamen, nasceu em Lisboa, em 1934 e licenciou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Entre 1958 e 1975 foi director da extinta “Editora Moraes” e administrou a Fundação Calouste Gulbenkian, desde 1975 até 2000.

Em simultâneo, e mais concretamente no período compreendido entre 1987 e 1990, foi membro da direcção e presidente da Assembleia Geral da Associação Portuguesa de Escritores.

Além da sua obra poética, iniciada em 1956, Pedro Tamen tem-se destacado igualmente como Tradutor Literário, sendo de realçar, entre outras, as obras de Gabriel Garcia Marquez, de Marcel Proust e de Gustave Flaubert.

Pedro Tamen já foi, ao longo da sua vida, condecorado com vários prémios literários, e, no dia 22 de Fevereiro de 2011, voltou a sê-lo, desta vez com o prémio “CORRENTES D’ESCRITAS”, pela sua obra de poesia “O LIVRO DO SAPATEIRO”, com 49 poemas, editado pela D. Quixote.

O vídeo aqui inserido apresenta-nos um poema de Pedro Tamen “PALAVRAS MINHAS”, interpretado em Fado por Pedro Moutinho:


SERRA DO CARAMULO


Numa região de transição da Beira Alta para a Beira Litoral, ergue-se a bonita Serra do Caramulo.
Lá encontramos paisagens de grande beleza natural, pitorescas aldeias serranas e diversos cursos de água cristalina.


O ponto mais alto da Serra do Caramulo é o “CARAMULINHO”, com 1076 metros, de onde é possível avistar a Serra da Estrela e o mar, em dias sem nebulosidade….., é francamente um espectáculo único.
Um outro ponto de interesse é o “CABEÇO DA NEVE, de onde é também possível avistar a Serra da Estrela, em dias claros, e ainda, para os amantes de Para Pent, é o local ideal para se lançarem de uma rampa ali existente para o efeito.
 Os terrenos são de xisto e granito, mas possuindo uma vegetação admirável, de onde as populações têm sabido tirar o melhor partido do que a terra tem para oferecer, continuando a manter, ainda hoje, o seu aspecto rural e tradicional, pois são inúmeras as aldeias pitorescas e os lugarejos de grande encanto e tradição.

Esta zona foi povoada por Romanos, pelo que, ainda hoje, se podem encontrar vestígios dessa época, nomeadamente os trilhos de pedra.
A Serra do Caramulo foi durante muitos anos conhecida como um local de cura, dada a pureza do seu ambiente e a frescura dos ares, pelo que, na povoação com o mesmo nome, chegaram a existir vários sanatórios, o que conferiu, quer à Serra, quer à Povoação, o apelido de “PURA”, no entanto tais sanatórios têm vindo a dar lugar a modernas e acolhedoras instalações hoteleiras.
A este propósito é de referir que o Hotel do Caramulo é um belíssimo empreendimento turístico que proporciona uma vista deslumbrante sobre o Vale de Besteiros e que se situa mesmo em frente ao Museu do Caramulo.

 Este Museu, sobejamente conhecido e mais um lugar que vivamente se aconselha a visitar, apresenta colecções de:
- Arte;
- Automóveis, Motociclos e Velocípedes;
- Miniaturas e Brinquedos Antigos
- e actualmente também uma exposição sobre a 2ª Guerra Mundial.

A paisagem da Serra do Caramulo é, sem dúvida alguma, um monumento à natureza e o ar puro que ali se respira convida à exploração de todos os recantos, por mais escondidos que sejam.
É realmente um lugar cheio de surpresas, de vistas magníficas e de desafios estimulantes……

VALE A PENA VISITAR...



terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

ZECA AFONSO

José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, nasceu em Aveiro, no dia 2 de Agosto de 1929 e faleceu em Setúbal, no dia 23 de Fevereiro de 1987.

Cantor e compositor português, oriundo do fado de Coimbra, foi uma figura central do movimento de renovação da música portuguesa.

Viveu em Aveiro até aos 3 anos de idade e depois em Angola, onde seu pai havia sido colocado como Delegado do Procurador da República.

Aos 8 anos de idade, também para acompanhar a família (pais e irmãos) foi viver para Moçambique - na então cidade de Lourenço Marques.

A profunda ligação ao Continente Africano (que veio a reflectir-se pela sua vida fora), foi proveniente da relação física que manteve com a natureza, durante os anos que viveu em Angola e Moçambique.

Em 1940, Zeca Afonso vai para Coimbra e, no Liceu D. João III, por volta do 5º ano, começa a cantar. Inicia-se em serenatas e canta em festas populares, interpretando o Fado de Coimbra, lírico e tradicional.

Em 1948 completa o Curso Geral dos Liceus em Coimbra e é nessa altura que conhece Maria Amália de Oliveira, uma costureira de origem humilde, com quem vem a casar em segredo, por oposição da família.

Em 1949 ingressa na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e em 1953 nasce-lhe o primeiro filho. Nessa altura dedica-se a dar explicações e a fazer revisão de textos, mas passa por grandes dificuldades económicas para poder sustentar a família.
Grava então o seu primeiro disco “Fados de Coimbra”, também em 1953.

Só dez anos mais tarde (em 1963), termina a licenciatura em Ciências Histórico-Filosóficas, com uma tese sobre Jean-Paul Sartre, intitulada Implicações substancialistas na filosofia sartriana.

Durante uma grande parte da sua vida dedicou-se ao ensino, como professor das disciplinas de Francês e de História, tendo leccionado em diversas localidades, quer no Continente, quer no Ultramar, mas a que aqui destaco é a Escola Industrial e Comercial de Faro.

É por essa altura que Zeca Afonso conhece aquela que viria a ser a sua segunda mulher “Zélia”, natural da Fuzeta (Freguesia do concelho de Olhão) e também é nessa época que vive e convive bastante com as gentes da então Vila de Olhão, tendo composto esta interessante música, com letra também de sua autoria, que a seguir se apresenta, intitulada “ Ó VILA DE OLHÃO”.




É ainda de referir que muitas das suas músicas continuam a ser gravadas por numerosos artistas portugueses e estrangeiros. Calcula-se que existam mais de 300 versões de canções suas gravadas por mais de uma centena de intérpretes, o que faz de Zeca Afonso um dos compositores portugueses mais divulgados a nível mundial.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

SER POETA


Nunca me canso ler e saborear os poemas de Florbela Espanca


Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e cetim…
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…
É seres alma e sangue e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

(Florbela Espanca, «Charneca em Flor», in «Poesia Completa»)

sábado, 19 de fevereiro de 2011

ALFREDO MARCENEIRO

De seu nome, Alfredo Rodrigo Duarte (mais conhecido como Alfredo Marceneiro devido à sua profissão), foi um fadista Português que marcou uma época, detentor de uma voz inconfundível, tornando-se um marco deste género da canção em Portugal.
Alfredo Marceneiro nasceu na freguesia de Santa Isabel, em Lisboa, mas a sua família, de condição muito humilde, era oriunda do Cadaval.
Com a morte do pai teve de deixar a escola primária e começou então a trabalhar como aprendiz de encadernador, para ajudar no sustento da família.
Desde pequeno que sentia uma grande atracção pela arte de representar e também pela música, tendo começado a cantar o fado em locais populares, juntamente com os seus amigos.
Com relativa facilidade cantava e improvisava as letras das canções e um dia conheceu JÚLIO JANOTA (Fadista Improvisador), de profissão marceneiro, que o convenceu a seguir esse ofício, o qual lhe daria maior salário e mais tempo disponível para se dedicar à sua grande paixão (cantar o fado), tendo a partir de então começado a ser conhecido por ALFREDO MARCENEIRO.
Em 1924 participou, no Teatro S. Luiz em Lisboa, na sua primeira Festa do Fado, onde ganhou a medalha de prata.
Nos anos 30, trabalhou nos estaleiros da CUF, onde fazia móveis para os navios e dividia o seu tempo entre as canções e o trabalho, e, em 3 de Janeiro de 1948, foi consagrado “O REI DO FADO”
Em 1963, após uma carreira recheada de sucessos, reformou-se, numa grande festa de despedida no Teatro de S. Luiz.
Faleceu com 91 anos de idade, na mesma freguesia que o viu nascer e foi condecorado, a título póstumo, com a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique, pelo então Presidente da República Portuguesa, General Ramalho Eanes.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

JOSÉ SARAMAGO


Hoje, dia 17 de Fevereiro de 2011, Barcelona homenageou o Nobel Português.

Na véspera de cumprir oito meses da morte de José Saramago, Barcelona homenageou-o com diversos actos, um deles relacionado com a sua obra póstuma “O ÚLTIMO CADERNO”., a qual recolhe textos que Saramago escreveu, assiduamente, no seu blog pessoal, durante o período compreendido entre 23 de Março de 2009 e 2 de Junho de 2010.
O prólogo deste livro é do escritor Italiano Umberto Eco e de Pilar del Rio, e, segundo esta, a obra é constituída por reflexões íntimas, comentários sobre política, pensamentos ou até mesmo simples opiniões dos temas mais variados.
Apenas como curiosidade, este livro já foi lançado em Espanha, pelas editoras Edicions 62 e Alfaguara, em catalão e castelhano, respectivamente, contudo, nesta data, ainda não foi editado em Portugal.


quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

CENTRO DA ÁREA EDUCATIVA DO OESTE


Não há qualquer dúvida que a má gestão verifica-se em todas as frentes…
Para onde quer que nos viremos…., aí estamos nós a ser confrontados com situações de má, para não dizer, péssima gestão…
Sem ter a pretensão de falar de grandes e elaboradas questões, vejamos apenas este pequeno exemplo, que certamente, neste enorme oceano, representará somente uma gota de água…
O Ministério da Educação construiu de raiz, em Torres Vedras, num terreno cedido pelo município por quase um milhão de euros, um edifício que se destinava a albergar os serviços do CENTRO DA ÁREA EDUCATIVA DO OESTE e que, por este Centro foi efectivamente usado durante sete anos.
Ora acontece que o Ministério da Educação extinguiu, há quatro anos, este organismo regional e desde então o referido edifício tem, imagine-se…, pura e simplesmente, permanecido encerrado e, segundo se sabe, a esta altura, já em estado de degradação.
Que pena…,
Pois o Ministério da Educação, com certeza, como não lhe custou a ganhar o dinheiro investido, quer na compra do terreno, quer na construção do imóvel, não teve, e pelo que se sabe, continua ainda a não ter, a mínima preocupação em diligenciar no sentido de dar àquele espaço qualquer tipo de aproveitamento, ou até mesmo arrendá-lo ou vendê-lo…
Enfim… , quando se consegue tudo sem o mínimo esforço, não se dá o devido valor àquilo que se tem......, esbanja-se e deixa-se estragar...

E quem paga tudo isto?

EDIFÍCIO DO ANO


O PORTO MAIS UMA VEZ EM DESTAQUE

Ontem, dia 15 de Fevereiro de 2011, dois jovens arquitectos do Porto, venceram o prémio do “EDIFÍCIO DO ANO”, promovido pelo site “ArchDaily”.
Sete edifícios portugueses, estavam entre os 70 finalistas das 14 categorias do prémio “ArchDaily’s Building of the Year” e três deles, situados na zona do Grande Porto, foram eleitos edifícios do ano pelo referido site:
- O edifício da Vodafone:


- Closet House de Matosinhos:

- O bar temporário da Faculdade de Arquitectura do Porto:

Este último, na categoria de “Hotéis e Restaurantes”, foi um projecto elaborado por dois jovens estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, que viram reconhecido o seu trabalho com a atribuição deste prémio.
É evidente que, para estes jovens, este prémio é bastante gratificante e oxalá possa significar, para ambos, muitas e boas oportunidades de trabalho.


terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

LINHA DO CIDADÃO IDOSO


Cada vez mais se tem conhecimento de pessoas que vivem sozinhas, sem ninguém que as possa socorrer, no caso de algum incidente surgir…
Isto é muito comum em pessoas de todas as idades…, idosos ou não, todos, num determinado momento, podem necessitar de apoio.

Assim, com a pretensão de divulgar, especialmente junto de pessoas idosas, informação sobre os seus direitos e benefícios em diversas áreas, nomeadamente na área da saúde, segurança social, habitação, obrigações familiares, entre outras, a Provedoria da Justiça volta a dar ênfase à existência de uma “LINHA DO IDOSO”.
Esta “Linha do Cidadão Idoso” pretende contribuir para uma participação mais activa dos idosos na sociedade, habilitando-os para um melhor exercício dos seus direitos, já que em Portugal, infelizmente, o abandono dos mais velhos é uma constante, a julgar pelo que é noticiado diariamente.
Acresce que a linha telefónica gratuita de apoio aos cidadãos idosos funciona todos os dias úteis, entre as 9,30h e as 17,30, existindo um gravador de chamadas fora deste horário.
A linha telefónica pode ser um elemento de alerta e de apoio
O número de telefone é: 800 20 35 31
Seria bom que ninguém precisasse…., mas infelizmente todos sabemos que assim não é…


CASTELO DE SILVES

UM CASTELO DE ENCANTAR

Rodeado de poderosas muralhas e grandes torres impossíveis de escalar, é talvez o mais significativo castelo de Portugal.


Foi construído pelos árabes ALMORÁVIDAS, no Século XI e é hoje um local de passeio e lazer, que relembra, não só a grandiosidade da arte muçulmana, como também reflecte o esplendor que a civilização islâmica alcançou no Algarve.

Imponente e admirável, o Castelo de Silves é o espaço ideal para desfrutar de uma visita ao passado português e apreciar, a partir do miradouro mais bonito de Silves, a vista fabulosa sobre a cidade, sobre o campo e sobre o rio Arade.

Este castelo, construído em grés vermelho da região e taipa, situado no cimo da colina e rodeado por muralhas e 11 torreões, parece funcionar como uma máquina do tempo que transporta os visitantes para a fortaleza militar que foi outrora.

De entre inúmeros pormenores de grande interesse histórico, nomeadamente no que se refere à gigantesca porta principal, à Medina, à “porta da traição”, ao jardim e aos depósitos de alimentos (em tempos silos árabes), são de salientar as cisternas da “Moura” e dos “Cães”, com 10 metros de altura e 60 metros de profundidade, respectivamente, que fazem lembrar as histórias das Mil e uma Noites, pois diz a lenda que, o visitante mais atento, consegue ouvir o lamento da moura encantada que chora pelo seu amado no fundo do poço onde se suicidou.

É sem dúvida uma visita a não perder, repleta de fragmentos de história e vestígios da presença árabe e que nos faz pensar e imaginar como seria a vida neste castelo há dez séculos atrás…

domingo, 13 de fevereiro de 2011

UNIVERSIDADE DE COIMBRA


Torre da Universidade de Coimbra, com quase 300 anos, abre ao público após obras de requalificação.


Hoje, dia 13 de Fevereiro, de 2011, foi inaugurada a obra de requalificação da Torre da Universidade de Coimbra, de estilo barroco, o maior símbolo da instituição e da cidade.

Com 180 degraus, 34 metros de altura e um grande relógio que dá horas a “doutores” e “futricas”, cujo sino é ainda hoje designado por “cabra” (a cabra da velha Torre, a que alude um conhecido fado de Coimbra), foi construída entre 1728 e 1733.

Do seu terraço pode-se avistar quase toda a cidade, os campos do Mondego e o rio serpenteado na paisagem, bem como dezenas de colinas que cercam Coimbra num raio de vários quilómetros.

A abertura da torre ao público, após quase três séculos de existência, começa amanhã, dia 14 de Fevereiro, de 2011, através de visitas guiadas.

É de salientar que o Paço das Escolas (onde está situada a Torre, a Biblioteca Joanina, a Capela da Universidade, a Reitoria e a Faculdade de Direito), é um dos locais mais visitados da cidade de Coimbra.




SÃO VALENTIM

Amanhã, 14 de Fevereiro, dia de São Valentim e dos Namorados


"História de São Valentim":

O  Imperador Romano Cláudio II, proibiu a realização de casamentos durante o seu governo, com o objectivo de tornar mais forte o exército, pois achava ele que, os jovens que não tivessem constituído família, poderiam mais facilmente alistar-se e teriam mais força para combater…

 No entanto, apesar desta proibição do Imperador, um Bispo Romano de nome Valentim, continuou a celebrar casamentos contrariando a vontade e ordem do Imperador e as cerimónias eram realizadas em segredo.

Quando esta prática foi descoberta Valentim foi preso e condenado à morte.

Enquanto estava em cativeiro, muitos jovens faziam chegar mensagens ao Bispo Valentim, dizendo que ainda acreditavam no amor e, de entre as pessoas que enviavam tais mensagens, estava uma jovem invisual, de nome Asterias, que era filha do carcereiro.

Ora na condição de filha do carcereiro, Asterias conseguiu convencer o seu pai a deixá-la visitar o Bispo Valentim  na sua cela e os dois acabaram por se apaixonar, tendo a jovem recuperado a visão.

O Bispo Valentim chegou a escrever uma carta de amor à jovem Asterias com a seguinte assinatura:

“De seu Valentim”

O Bispo Valentim acabou por ser decapitado, no dia 14 de Fevereiro de 270

Feliz Dia de S. Valentim

UNIVERSIDADE DO PORTO

FUNDADA EM 22 DE MARÇO DE 1911

Há precisamente 100 anos foi fundada a Universidade do Porto.
Considerada a maior instituição de ensino e investigação científica do país, com cerca de 31.000 estudantes, 2.300 professores e investigadores  e 1.700 funcionários não docentes, a Universidade do Porto com 14 faculdades e uma “business school” oferece uma variedade de cursos que abrange todos os níveis do ensino superior e todas as grandes áreas do conhecimento.
No dia 1 de Fevereiro iniciaram-se as comemorações para festejar o centenário daquela que é considerada a maior universidade do país, com a inauguração da casa Andresen que abriu com a exposição “A Evolução de Darwin”.

O velho palacete onde Sophia de Mello Breyner Andresen passou a sua infância (situado em pleno Jardim Botânico do Porto) e onde, desde os anos 50, funcionava o departamento de botânica da Universidade do Porto, foi recuperado para se tornar o principal centro de divulgação de ciência da cidade.


Esta Universidade dispõe de mais de uma dezena de museus e núcleos museológicos, contudo são poucos os que estão acessíveis ao público.
Assim, aproveitando o seu centenário, a Universidade do Porto pretende abrir os seus museus à cidade.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

SERRA DO CALDEIRÃO

A Serra Algarvia que demarca o sentido e o viver e onde a natureza ainda dita as suas regras...

Separa o Algarve do Baixo Alentejo  e é uma serra de baixa altitude (o seu pico mais elevado atinge apenas 580m), mas apresenta paisagens de grande beleza e possui um importante e interessante património natural, humano e arquitectónico.
Esta serra constitui uma barreira física à passagem dos ventos frios do Norte para a zona Sul do país, contribuindo assim para o célebre clima mediterrânico do litoral Algarvio.
No que se refere à sua vegetação, a predominância é de sobreiros, medronheiros e azinheiras.
Quanto à fauna, as espécies que ainda por ali se encontram facilmente são, entre outras, o veado, o javali, o coelho, a lebre, não se podendo dizer o mesmo do lobo-ibérico e da lontra que hoje praticamente não existem…
O casario típico desta região serrana é feito em pedra, caiado de branco, com telhado de cana, encontrando-se, aqui e ali, diversos legados patrimoniais rurais de grande interesse, tais como: azenhas, levadas, açudes, palheiros, moinhos de vento ou fornos, símbolos de outros tempos.
É um passeio muito interessante que se sugere, pois ao entrarmos na Serra do Caldeirão entramos no “outro Algarve”… O Algarve das gentes genuínas, das artes e técnicas tradicionais, que ainda perduram…, ali encontramos os homens que retiram a cortiça, os pastores, os moleiros, as mulheres que trabalham nos teares…., enfim…, uma variedade de tarefas que é possível redescobrir e apreciar.
Pode-se ainda percorrer as ruas estreitas em pedra, das aldeias espalhadas pela serra e admirar as chaminés os muros caiados, os pátios, os poiais e entrar nos museus e viver as histórias de antigamente…


Que tal um passeio à Serra do Caldeirão?

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

OLHARES

Há uma infinidade de olhares….
Penetrantes, rebeldes, tristes, alegres, doces, severos…, tantos, tantos, que não dá sequer para imaginar…
E quantas coisas um olhar pode dizer?
Um olhar pode transmitir-nos a existência ou não de amor pela vida, pelas pessoas…, se existe vontade contínua de aprender e reaprender a cada dia..., se existe esperança e fé para realizar os sonhos ainda não realizados…, se existe força e determinação, enfim..., tanta coisa...
É verdade, tantos sentimentos e emoções que um olhar pode conter e nos pode transmitir!!! Se nos dermos ao trabalho de olharmos, é claro....
No entanto há muita gente que passa mas não olha, não vê !!!!
E este poema que a seguir transcrevo, de autor desconhecido, fala-nos precisamente de alguém que passou e nem sequer olhou, vá-se lá saber porquê…

"OLHARES"
Passaste, vi-te, mas não me viste...
Diria até que nem sequer para mim olhaste.
Que pena !!!
Pois não sabes o que terias visto,
se o teu olhar com o meu se tivesse cruzado...

Terias visto que os meus olhos eram dois riachos,
que corriam de forma veloz e desenfreada
pelo caminho difícil e sinuoso que me leva a ti...

Terias lido os meus pensamentos e terias visto
que se transformaram em flores multicoloridas
desejando enfeitar o jardim da tua vida...

Mas naquele momento senti:
que aqueles riachos secaram...
que aquelas flores murcharam...
porque tu passaste, não me viste
e nem sequer para mim olhaste !
Que pena !!!

(Autor desconhecido)