quarta-feira, 30 de março de 2011

ASAS



GANHAR ASAS E VOAR


Quem não gostaria de ter asas e voar???

Mas mesmo sem as termos, podemos fazê-lo…

A persistência, a luta, a força de vontade, o querer….., tudo isto pode dar asas…., asas que permitem voar para onde se quiser, como se quiser, em vôos que tanto poderão ser tranquilos como atribulados…, mas a receita para realizar um voo suave e fácil, é “apenas” voar de forma solta e despreocupada…

Como disse MARTIN LUTHER KING, JR.:

Se não puder voar, corra.

Se não puder correr, ande.

Se não puder andar, rasteje.

Mas continue  em frente, de qualquer jeito.”

Na verdade o importante é “ganhar asas e voar”…

VOAR, SEMPRE….


terça-feira, 29 de março de 2011

AUTITV NA SERRA DO SOCORRO

No dia 25 de Março, os alunos da AUTITV foram à Serra do Socorro (e não só......), num passeio organizado pelo Professor Novais Granada.

Este Slideshow é elucidativo da forma interessante e divertida como este dia foi passado:




Autitv Foi à Serra do Socorro e não só..... Slideshow: Albertina’s trip to Alentejo, Portugal was created by TripAdvisor. See another Alentejo slideshow. Create a free slideshow with music from your travel photos.

segunda-feira, 28 de março de 2011

QUINTA DE MANJAPÃO



Na Freguesia do Turcifal, concelho de Torres Vedras, dominada pela presença da Serra do Socorro e da Vila do Turcifal, situa-se a belíssima quinta de Manjapão, junto à estrada real, assim designada na época em que El Rei D. Dinis era o seu proprietário (Século XIII).

Em 11 de Janeiro de 1280 esta quinta foi doada pelo referido rei à sua irmã Infanta D. Branca, que por sua vez a duou ao seu padre confessor, Pêro Vicente, oito anos mais tarde.

A Quinta de Manjapão possui uma ermida dedicada a Santa Margarida.









 

domingo, 27 de março de 2011

HORA DE VERÃO - PRIMAVERA

A propósito da passagem da "hora de inverno" para a "hora de verão" ocorrida há algumas horas e, uma vez mais, para celebrar a chegada de mais uma Primavera, aqui deixo este belíssimo poema de Miguel Torga:


GLÓRIA

Depois do Inverno, morte figurada,
A primavera, uma assunção de flores
A vida
Renascida
E celebrada
Num festival de pétalas e cores.

(Miguel Torga)




quarta-feira, 23 de março de 2011

EXPOSIÇÃO - TORRE DO TOMBO


DOCUMENTOS DO ARQUIVO DA CASA REAL SÃO EXIBIDOS PELA PRIMEIRA VEZ NUMA EXPOSIÇÃO QUE É HOJE INAUGURADA NA TORRE DO TOMBO.


“D. Carlos I, fotógrafo amador”, é o título da exposição que hoje, dia 23 de Março de 2011, é inaugurada na Torre do Tombo e que apresenta, não só fotografias em reprodução digital obtidas a partir dos originais (quase todas assinadas pelo Rei, as quais pertencem ao arquivo da Fundação da Casa de Bragança), como também alguns documentos importantes da época, tais como o pergaminho relativo ao auto de juramento da Constituição de D. Carlos, a sua certidão de nascimento e o contrato de casamento celebrado com a princesa Amélia de Orleães
 Esta exposição, que estará patente até 12 de Julho de 2011 em Lisboa (Torre do Tombo), já esteve também, no verão passado, no Passo Ducal de Vila Viçosa, mas exibindo apenas as fotografias.
São 46 imagens que mostram, nomeadamente, as campanhas oceanográficas do monarca, regatas em Paço D’Arcos, a armação do atum no Algarve, os banhos em Cascais e membros da família real.

A NÃO PERDER......

segunda-feira, 21 de março de 2011

A PRIMAVERA CHEGOU















Já chegou a Primavera
vestida de alegre cor
tão verde, da cor da hera
traz uma esperança de amor.

A Primavera chegou!
Traz a cor do céu azul.
O Sol ameno levou
a tristeza para o Sul.

Quando chega a Primavera
fica mais belo o jardim.
Tão colorido. Oh! Quem dera
a Primavera sem fim



DIA MUNDIAL DA POESIA



Sem Palavras


Brancas, suaves mãos de irmã
Que são mais doces que as das rainhas,
Hão de pousar em tuas mãos, as minhas
Numa carícia transcendente e vã.

E a tua boca a divinal manhã
Que diz as frases com que me acarinhas,
Há de pousar nas dolorosas linhas
Da minha boca purpurina e sã.

Meus olhos hão de olhar teus olhos tristes;
Só eles te dirão que tu existes
Dentro de mim num riso d’alvorada!

E nunca se amará ninguém melhor;
Tu calando de mim o teu amor,
Sem que eu nunca do meu te diga nada!...

Florbela Espanca, in "A Mensageira das Violetas"

quarta-feira, 16 de março de 2011

TANGO


Originariamente, o tango nasce no final do século XIX de uma mistura de vários ritmos provenientes dos subúrbios de Buenos Aires.

Esteve associado desde o princípio com bordéis e cabarés, mas o tango como dança não se limitou às zonas baixas, estendeu-se também aos bairros proletários e, mais tarde, quando teve sucesso na Europa, passou também a ser aceite pelas “melhores famílias”….

 A melodia provinha de flauta, violino e violão, sendo que a flauta foi posteriormente substituída pelo "bandoneón" (espécie de sanfona). Os imigrantes acrescentaram ainda todo o seu ar nostálgico e melancólico e desse modo o tango foi-se desenvolvendo e adquirindo um sabor único.


Carlos Gardel foi o inventor do tango-canção. Falecido em 1935 aos 45 anos de um acidente aéreo, ele foi o grande divulgador do tango no exterior.

Contudo nos anos 60 o tango foi ignorado fora da Argentina, mas quem o fez ressurgir e lhe deu uma nova perspectiva, rompendo com os esquemas do tango clássico foi Astor Piazzolla.

Hoje em dia o tango é, sem dúvida alguma, um elemento que identifica a alma portenha…

É impossível falar de Buenos Aires sem falar do TANGO…..

Dia 11 de Dezembro, é o dia do Tango e a data foi escolhida para homenagear Carlos Cardel.


sábado, 12 de março de 2011

DATAS

12

Há datas comemorativas, datas de referência e o dia 12….., é mais uma data….., mais uma de tantas com significado especial…
Mas se olharmos com algum cuidado para este número, percebemos que o mesmo envolve vários significados:
·   É um número par, como tantos outros, é certo,…….., mas é par……, não é ímpar….

·   É um número natural, que segue o onze e precede o treze…

·   Trata-se de um número abundante, porque a soma dos seus factores (1, 2, 3, 4 e 6) = 16 e 16 > 12.

·   Doze é também um número muito conveniente por possuir múltiplos e divisores…

·   Na mitologia Cristã, os apóstolos eram doze…..


·   São doze os signos do Zodíaco que o Sol parece percorrer num ano….




·   E sem esquecer os doze de Inglaterra, com certeza que muitas outras referências caberiam neste número que, para além de tudo o mais, também é uma dúzia…

Mas pronto, neste dia 12, quem tiver comemorações a fazer que as faça: com alegria, de forma autêntica, intensamente.... e parabéns por esta data….


sexta-feira, 11 de março de 2011

MIRANTE

Do Livro de: DIAMANTINO PILOTO, intitulado “O MEU OLHÃO (crónicas) E CONTOS DE OLHÃO”:


“Claros-azuis, verdes-esmeraldas, às vezes espumosos, com entremeios de areais doirados e restingas escuras, põem o fundo na aguarela olhanense onde assenta a branca e alta mancha coroada a inúmeros recortes, ameias de palácios orientais.
Um branco que em aproximação ganha relevo descobrindo uma variedade impressionante de ritmos: rectas, ângulos, foles de concertinas brancas e, em dispersão, curvas de guitarras transparentes.
Mais próximo, atrás dos parapeitos ou das balaustradas, a louça pérola, luzente, por entre abóbadas ladrilhadas, sobem os mirantes prismáticos numa visível independência.
 

Para que os puseram? Ânsia de avistar, desejo de ver ou prazer de meditação. 
Quem os trouxe? Dizem que as águias ondulantes do Mediterrâneo os arrastaram das ilhas gregas.
Mas à noite, a geometria fluida precipita-se planificando-se e modelando visões: pardos trapézios, penumbras de chaminés truncadas, negros triângulos, sombras de portas entreabertas. Os arcos das escadas evocam moiras com véus de tule e na luz de raras janelas ondeiam odaliscas com lantejoulas: dançando à música do levante.
Avistar as velas na ria, as traineiras na barra e o infinito oceano.
Sou menino e do meu mirante avisto um bioco que avista um caíque.



 Ver do meu mirante: mulheres cosendo roupas ou soldando sapatos de ourelo; remos aos pares e oleados salitrentos. Ver saudações sinceras e……(faltavas tu, amor) beijos trocados. Sou menino e embeveço-me nos papagaios.


Medito no meu mirante. Medito nos poentes de Outono: fios de ouro debruando as nuvens. Quando o sol escorrega para Faro, que maravilha a ria escarlate de sangue vivo: imóvel espelho encarnado com botes pretos pairando.




E quando a noite apaga a forma e abafa a cor, deitado eu penso: Sou menino. Ai que ventura ter um mirante."



quinta-feira, 10 de março de 2011

ALEGRIA

Há tantas e tantas coisas que nos proporcionam alegria…, que nos dão imensa alegria…, que enchem a nossa vida de contentamento…
Às vezes são apenas pequenas coisas, pequenos gestos, frases curtas, vivências breves…., ou até mesmo o simples facto de termos a possibilidade de sentir, de viver, de observar, de admirar uma belíssima paisagem !!!...!!!!

E há na verdade paisagens que encantam!!!…

Há efectivamente locais que não se esquecem!!!… De tal maneira que quando os recordamos, somos capazes de, ao pormenor, identificar minuciosamente cada arbusto, cada penhasco, cada caminho…, enfim, cada recanto que num dado momento nos proporcionou essa “enorme alegria” de estarmos naquele local e no privilégio que sentimos por podermos usufruir de tanta coisa bela que a natureza tem para nos oferecer!!!...

Pois bem, MIGUEL TORGA, também sentia a alegria desta mesma forma…, e este texto que a seguir transcrevo, demonstra bem esse seu gosto e o grande apreço pela natureza e pelas paisagens, sobretudo as paisagens do seu País:

“DEVO À PAISAGEM AS POUCAS ALEGRIAS QUE TIVE NO MUNDO.

Os homens só me deram tristezas. Ou eu nunca os entendi, ou eles nunca me entenderam.

Até os mais próximos, os mais amigos, me cravaram na hora própria um espinho envenenado no coração.

A terra com os seus vestidos e as suas pregas, essa foi sempre generosa. É claro que nunca um panorama me interessou como gargarejo. É mesmo um favor que peço ao destino: que me poupe à degradação das habituais paneladas de prosa, a descrever de cor caminhos e florestas.

As dobras e as cores do chão onde firmo os pés, foram sempre no meu espírito coisas sagradas e íntimas como o amor.

Falar de uma encosta coberta de neve sem ter a alma branca também, retratar uma folha sem tremer como ela, olhar um abismo sem fundura nos olhos, é para mim o mesmo que gostar sem língua, ou cantar sem voz.

Vivo a natureza integrado nela. De tal modo, que chego a sentir-me, em certas ocasiões, pedra, orvalho, flor ou nevoeiro. Nenhum outro espectáculo me dá semelhante plenitude e cria no meu espírito um sentido tão acabado do perfeito e do eterno.

Bem sei que há gente que encontra o mesmo universo no jogo de um músculo ou na linha de um perfil. Lá está o exemplo de Miguel Ângelo a demonstrá-lo.

Mas eu não. Eu declaro aqui a estas fundas e agrestes rugas de Portugal que nunca vi nada mais puro, mais gracioso, mais belo, do que um tufo de relva que fui encontrar um dia no alto das penedias da Calcedónia, no Gerez.

Roma, Paris, Florença, Beethoven, Cervantes, Shaskespeare….. Palavra, que não troco por tudo isso o rasgão mais humilde da tua estamenha, Mãe!”


Miguel Torga, in "Diário (1942)"

quarta-feira, 9 de março de 2011

POEMA DE FERNANDO PESSOA





Sorriso Audível das Folhas


Sorriso audível das folhas
Não és mais que a brisa ali
Se eu te olho e tu me olhas,
Quem primeiro é que sorri?
O primeiro a sorrir ri.
 
Ri e olha de repente
Para fins de não olhar
Para onde nas folhas sente
O som do vento a passar
Tudo é vento e disfarçar.
 
Mas o olhar, de estar olhando
Onde não olha, voltou
E estamos os dois falando
O que se não conversou
Isto acaba ou começou?


Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

DESTINO



Quem sabe, ao certo, o que é o destino?

Será que alguém sabe?

É frequente ouvir-se dizer, sobretudo por parte de quem não acredita no destino:

- “…..eu sou autor(a) do meu próprio destino….”;
- “….o destino está nas minhas mãos e por isso compete-me mudá-lo ou não……”,

Ou então há quem diga:
“…..isso é coisa do destino….”

Mas será que isto é assim tão linear?

Parece que não, pois muito embora haja muita coisa na nossa vida que conseguimos escolher, outras há, em relação às quais não temos o mínimo controlo.

Por exemplo, escolhe-se o curso ou área profissional que mais gostamos ou com a qual nos sentimos mais identificados, mas não escolhemos as pessoas que connosco irão privar, nem nessas, nem noutras fases da nossa vida, nem tão pouco as surpresas que elas nos irão proporcionar…

Enfim…, seja lá aquilo que for, destino, fado, sina, sorte, ou qualquer outra coisa que lhe queiramos chamar, parece não haver dúvida que, num dado momento, há sempre uma qualquer “força” que nos “empurra” ou que nos “obriga” a ir para um determinado local, a passar por determinado caminho…., e para quê? Para nós pensarmos que afinal existe DESTINO!!!





terça-feira, 8 de março de 2011

VERDADE

Conto judaico:

“Um dia, a Verdade andava  por aí, sem roupas e sem quaisquer adornos.

Andava tão nua como o seu nome... e todos que a viam lhe viravam as costas, com vergonha ou medo e ninguém lhe dava as boas vindas…

Assim, a Verdade percorria os quatro cantos da terra, mas era sempre rejeitada e desprezada.

Uma tarde, muito desconsolada e triste, a Verdade encontrou a Parábola que passeava alegremente, com um traje belo e muito colorido e esta perguntou-lhe:

- Verdade, porque estás tão abatida?

- Porque devo ser muito feia, respondeu-lhe a Verdade, pois toda a gente me evita e ninguém olha para mim…

- Que disparate!!!, disse a Parábola a rir, não é por isso que te evitam… e deu-lhe algumas das suas roupas e adornos para que se vestisse.

Então a Verdade vestiu-se com as vestes que a Parábola lhe tinha dado e, de repente, por toda a parte onde passava, era bem vinda e ninguém lhe virava as costas….

É que ninguém gosta  de encarar a Verdade nua; preferem-na disfarçada.”

Efectivamente a  “Verdade nua e crua”, é sempre tão difícil de aceitar, tão difícil de ouvir...!!!

Às vezes achamos mesmo que é inconveniente…





domingo, 6 de março de 2011

"BATALHA DE FLORES"




"DOMINGO GORDO"

De facto, ainda que não se queira, é inevitável....

O Carnaval é, sem dúvida, um tema muito presente nestes dias e ainda que não nos sintamos "foliões", sem querer, aí estamos nós a falar dele e a apreciá-lo...!!!


Foi o que aconteceu hoje comigo..., sem pensar, sem projectar, quase sem dar por isso, fui parar ao "CARNAVAL DE MONCARAPACHO", aquele de que há poucos dias fiz um pequeno relato sobre a sua história e o qual, há muitos, muitos anos (mais de 30), não tinha oportunidade de assistir...


Decorrido tanto tempo, e não obstante tratar-se de um carnaval com um século de tradição, achei que, nos tempos que correm, o mesmo já não fosse pensado, nem projectado e muito menos executado da forma como o era antigamente.


Mas afinal tive uma agradável surpresa..., pois o carnaval de Moncarapacho continua a ser o que era noutros tempos!!!
Aliás, diria até que está melhor organizado e com uma apresentação de se lhe tirar o chapéu!!!


Bem..., fiquei surpreendidíssima com 16 carros alegóricos, todos lindamente decorados com flores de papel, como aliás é tradição no Algarve, especialmente em Moncarapacho e Loulé, tradição essa que lhe valeu o epíteto de "BATALHA DE FLORES".


Na dianteira desta belíssima organização, além da Misericórdia de Moncarapacho, julgo estar também a Câmara Municipal de Olhão.

Ambas estão de parabéns...... e é bom que esta tradição da "Batalha de Flores" não termine, mas acredito que tal não irá acontecer, a julgar pelos grupos de jovens participantes, em número significativo.




PARABÉNS A TODOS.

sexta-feira, 4 de março de 2011

CARNAVAL DAS CRIANÇAS


E continuando com este tema tão actual, quero aqui fazer referência ao desfile carnavalesco, que hoje de manhã se realizou em Torres Vedras, com a participação das escolas do concelho (desde os jardins de infância às escolas secundárias).

É de facto um espectáculo único...

Muita alegria, muita animação, muito colorido, muita criatividade, muitas horas de trabalho, muita dedicação...., enfim, um trabalho que merece ser enaltecido...

Todos estão de parabéns...
Autarquia, professores, auxiliares de educação, alunos, pais.....enfim, todos aqueles que, directa ou indirectamente, mais uma vez deram o seu contributo para este evento que, de ano para ano, tem vindo a tomar proporções inimagináveis...

Aqui ficam algumas fotos para lembrar o que foi o Carnaval 2011, das crianças do concelho de Torres Vedras, realizado no dia 4 de Março: