quarta-feira, 31 de agosto de 2011

DESPEDIDA..........


É difícil suportar, A dor da despedida,
Principalmente quando a partida,
É para nunca mais voltar.

 Na verdade dizer adeus é sempre difícil, mas mais difícil é quando se diz adeus pela última vez….
Alguém que parte para nunca mais voltar deixa em nós um rasto de dor, de mágoa, de saudade, que só o tempo se encarregará de apagar.

No momento da despedida chegam à nossa memória, em catadupa, as imagens de tudo o que, durante toda a nossa vida, sentimos e vivemos, junto de quem parte….….., as brincadeiras e risadas da infância, os sucessos e insucessos da adolescência, a concretização, ou não, dos sonhos na idade adulta…, enfim…, tudo passa na nossa cabeça como se de um filme se tratasse…..
Ontem, dia 30 de Agosto de 2011, foi dia de uma dessas despedidas…..e ali estavam familiares e amigos de toda uma vida…., ali estavam todos para o último adeus à Isolina.
Era cedo demais para partir……, mas aconteceu…., nada há a fazer…..

Retirado do Blog “Clube da Simpatia”, aqui fica este poema dedicado à Isolina, escrito pela Senhora D. Gisela Sinfrónio, Digníssima Presidente do referido Clube:

Bateste a tantas portas, minha amiga,
E todas se fecharam para ti,
De afecto, eras na vida uma mendiga,
Somente agora sei……já te perdi!



Havia tanta dor, tanta fadiga
No teu rosto sereno e eu nada vi,

Mas agora o remorso me castiga…

Porque é que a tua mágoa eu não senti!?



Porque partiste assim sem acabar
O tempo que seria a tua vida!?
Tinhas ainda tanto para dar,



Tantas músicas lindas p’ra compor…
Fugiste para o céu, minha querida,

Pensando que ninguém te tinha amor!

(Gisela Sinfrónio)




segunda-feira, 29 de agosto de 2011

NAVEGAR - FERNANDO PESSOA

Alguém me fez lembrar deste belo poema de Fernando Pessoa.....
É uma linda mensagem..., muito profunda...
Não resisti a partilhá-lo com todos os que gostam de visitar este espaço....

Muito obrigada.......


FURACÕES.........


Estamos na época deles e neste ano de 2011 já se fizeram sentir vários (pelo menos 9), o último deles, o “IRENE”, que, na costa leste dos EUA, fez, não só vítimas mortais, como também elevados danos materiais, de acordo com o que nos últimos dias tem sido noticiado…..
Não deixa de ser curioso que, na sua grande maioria, os furacões têm nomes femininos, porque será?????

Nos últimos dois anos foram vários os furacões do Atlântico Norte que fizeram as suas acções devastadoras, nomeadamente os furacões ANA, CLAUDETTE, ERIKA FIONA, JULIA ARLENE, CINDY, EMILY, entre outros…..

Mas……., este ano, infelizmente, ainda não ficamos por aqui, pois parece que, segundo as previsões, mais uma dúzia deles estão para chegar e o próximo que já se prepara e para breve, é o “JOSÉ”….

Desta vez aí vem um furacão com nome masculino…..

Vamos ver no que dá……

domingo, 28 de agosto de 2011

ERA ASSIM HÁ 50 ANOS.......


Logo que terminava o tempo de aulas e chegavam as tão desejadas “férias grandes”, era preciso arranjar ocupação para os jovens que, segundo a opinião dos pais e avós, não poderiam ficar 3 meses sem nada fazer e a esquecer o que tinham aprendido durante o ano lectivo.

Naquele tempo as férias serviam para descansar as mentes dos que mais se tinham esforçado e conseguido bons resultados, porque, se houvesse um “chumbo”, ou notas menos boas, na grande maioria das vezes isso implicaria, sem apelo nem agravo, um enorme corte nas idas à praia, ao cinema, ao baile…, enfim, muitas vezes era um corte radical na diversão….., já para não falar dos que eram obrigados a ir trabalhar para saberem o custava a vida (sobretudo os rapazes), porque as raparigas era-lhes dado outro tipo de tarefas, nomeadamente, aprender a costurar e a bordar, o que, na época, era uma coisa absolutamente indispensável e de bastante utilidade para a vida de uma mulher……
É claro que ninguém gostava de passar por tais privações e então era quem mais podia aplicar-se durante o ano para garantir umas férias, mais ou menos, a seu gosto….e digo mais ou menos, porque naquela época tudo se passava de uma forme bem diferente daquilo que acontece hoje em dia.

Naquele tempo os pais tinham autoridade sobre os filhos e as regras por eles ditadas tinham de ser (e eram) cumpridas…., porque não passava na cabeça de ninguém desobedecer a uma ordem dos pais.

Mas mesmo quando os tais cortes na diversão eram ditados pelos progenitores, sempre havia, por vezes, aqui ou ali, uma pequenina cedência, mais que não fosse, quando familiares ou amigos vinham de visita em tempo de férias e traziam consigo outros jovens da mesma faixa etária (primos e amigos) e nessa altura, às vezes, abria-se uma excepção……

Enfim…., eram outros tempos…., nada exigíamos, mal podíamos manifestar o desejo de fazer isto ou aquilo, de ir aqui ou acolá, não tínhamos quase nada, mas éramos felizes…, felizes à nossa maneira…, à maneira daquela época……

Tenho Saudades………




sexta-feira, 26 de agosto de 2011

MAIS UM POEMA DE FLORBELA ESPANCA....


Lágrimas ocultas


Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era querida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida...


E a minha triste boca dolorida,
Que dantes tinha o rir das primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!


E fico, pensativa, olhando o vago...
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim...


E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!


Florbela Espanca)

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

FOI UM DIA DIFERENTE PARA AS CRIANÇAS.........


É verdade, hoje, quarta-feira, dia 24 de Agosto de 2011, foi um dia diferente para algumas crianças, que, de forma muito animada, aceitaram o convite das avós e amigos, para uma pequena viagem de comboio, de Torres Vedras a São Martinho do Porto.

O grupo era composto por10 pessoas (cinco crianças - netos) e (cinco adultos - avós e tias).

Para os mais pequenos foi uma experiência inesquecível. Eles aproveitaram bastante tudo o que de melhor este passeio tinha para lhes proporcionar….

O dia estava esplendoroso, com um céu muito azul e uma temperatura óptima para actividades ao ar livre.

Saímos de Torres Vedras pelas 11,45h e, depois de uma paragem de cerca de uma hora em Caldas da Rainha (para os adultos tomarem um cafésinho e para aguçar ainda mais o apetite das crianças quanto ao que o nosso “destino turístico” teria para lhes oferecer), chegámos finalmente à linda Vila de S. Martinho do Porto que, como sempre, encanta todo e qualquer visitante com a sua bela baía…

Seguiu-se o almoço num Restaurante perto da Hotel “Palace do Capitão”, onde as crianças, já com bastante apetite, se deliciaram com os seus pratos favoritos e, mais ou menos duas horas depois, levámo-los a passear por toda a baía, pelo parque, pelo cais e até pelo túnel que nos leva da baía até ao mar, para que pudessem tomar contacto com as diferentes realidades que ali é possível encontrar…..

Após se ter concluído que a digestão do almoço já estava feita, as crianças quiseram experimentar a temperatura da água (até para compararem com a de Santa Cruz), mas dado o pouco tempo que restava para iniciarmos a viagem de regresso a Torres Vedras, com grande pena deles só tiveram autorização para molhar os pés……, ao contrário de um dos adultos que fez questão de tomar um banho daqueles…….

Por volta das 18h foi a viagem de regresso. As crianças tiveram a possibilidade de fazer a viagem junto do maquinista, situação que os deixou maravilhados, pois puderam colocar imensas questões, pedir vários esclarecimentos sobre a viagem e sobre o funcionamento da máquina, tendo sido sempre atendidas com uma enorme simpatia e, imagine-se, até tiveram direito a apitar o comboio……..
Enfim, a Kika, o Miguel, a Madalena, a Carolina e a Maria João tiveram um dia em cheio. As avós e tias, é claro que um pouco cansadas atendendo a que a energia deles não tem limites….

Quando finalmente chegámos a Torres Vedras, pelas 20,00h, nós vínhamos “um pouco” de rastos, mas eles, não só com uma felicidade enorme estampada nos rostos, como também com as pilhas ainda completamente carregadas………

Mas foi muito bom podermos proporcionar-lhes este dia que eles classificaram de “muito fixe”…….

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

CONVENTO DAS BERNARDAS - TAVIRA


Foi o maior edifício conventual do Algarve e o único da Ordem de Cister em toda a região.

Neste convento respiram-se 500 anos de história.


A sua construção deve-se a D. Manuel II, que desta forma quis agradecer a vitória obtida em Arzila (no norte de África), quando os mouros levantaram cerco à cidade.

Durante três séculos o Convento das Bernardas acolheu religiosas provenientes, não só das famílias de Tavira e de todo o Algarve, mas também do Alentejo e Ilhas Açorianas.


A perícia manual das monjas ficou conhecida graças à sua arte de doçaria e também às obras de arte sacra que saíam das suas oficinas.


Depois de muitas décadas em estado de degradação bastante elevado (e enquanto não ocorrer a sua transformação em condomínio privado),

este espaço passou a ser palco para muitos artistas, tendo já sido ali realizados, neste verão de 2011, diversos espectáculos musicais, nomeadamente os de Teresa Salgueiro e Carlos do Carmo.


No próximo dia 26, o Convento das Bernardas receberá a Fadista Carminho.

Convento das Bernardas

FORÇA !!!!!


(Provérbio chinês)

“Nunca desesperes face às mais sombrias aflições da vida, pois das nuvens mais negras cai água límpida e fecunda”.


sábado, 20 de agosto de 2011

CONTA A LENDA QUE DORMIA


Conta a lenda que dormia
Uma Princesa encantada
A quem só despertaria
Um Infante, que viria
De além do muro da estrada.

Ele tinha que, tentado,
Vencer o mal e o bem,
Antes que, já libertado,
Deixasse o caminho errado
Por o que à Princesa vem.

A Princesa Adormecida,
Se espera, dormindo espera.
Sonha em morte a sua vida,
E orna-lhe a fronte esquecida,
Verde, uma grinalda de hera.

Longe o Infante, esforçado,
Sem saber que intuito tem,
Rompe o caminho fadado.
Ele dela é ignorado.
Ela para ele é ninguém.

Mas cada um cumpre o Destino —
Ela dormindo encantada,
Ele buscando-a sem tino
Pelo processo divino
Que faz existir a estrada.

E, se bem que seja obscuro
Tudo pela estrada fora,
E falso, ele vem seguro,
E, vencendo estrada e muro,
Chega onde em sono ela mora.

E, inda tonto do que houvera,
A cabeça, em maresia,
Ergue a mão, e encontra hera,
E vê que ele mesmo era
A Princesa que dormia.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"


sexta-feira, 19 de agosto de 2011

PALÁCIO DA BREJOEIRA


O PALÁCIO DA BREJOEIRA, situa-se, no Minho, perto de Monção e começou a ser construído no Século XVIII, tendo ficado concluído em 1834.


 De estilo neo-clássico, passou por diversos proprietários que sempre foram realizando obras de restauro e foi classificado como Património Nacional, em 1910.


 Decorridos dois séculos após a sua construção, mais concretamente em 2010, os portões do intocável palácio foram finalmente abertos para quem o queira visitar.


 Situa-se numa quinta com 30 hectares, dos quais 18 são de cultivo de vinha, a qual origina a produção do famoso “ALVARINHO PALÁCIO DA BREJOEIRA”.


 Mais um local lindíssimo a não perder…..



quinta-feira, 18 de agosto de 2011

OLHÃO - VISTO E DESCRITO POR "RAUL BRANDÃO"


(Trechos do livro de Raul Brandão, intitulado “OS PESCADORES”).
Em Agosto de 1922, Raul Brandão escrevia o seguinte sobre OLHÃO:

“………..De manhã saio em Olhão deslumbrado. Céu azul-cobalto – por baixo, chapadas de cal. Reverberação do sol, e o azul mais azul, o branco mais branco. Cubos, linhas geométricas, luz animal que estremece e vibra como as asas de uma cigarra.

Entre os terraços um zimbório redondo e túmido como um seio aponta o bico para o ar. E ao cair da tarde, sobre este branco imaculado, o poente fixa-se como um grande resplendor. É uma terra levantina que descubro; só lhe faltam os esguios minaretes. Duas cores e cheiro: branco, branco, branco, branco doirado pelo sol, que atingiu a maturidade como um fruto, pinceladas de roxo uniformes para as sombras……………..O céu aproxima-se de mim. Da açoteia chego às estrelas com a mão. A aragem do mar é tépida…………………"
Fica desde já prometido, a publicação, neste blog, de outros trechos deste mesmo livro, onde Raul Brandão se refere à vida da então "VILA DE OLHÃO", no início do século passado.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

GUITARRISTA - FONTES ROCHA


Faleceu no passado dia 15 e o seu funeral realizou-se hoje, dia 17 de Agosto de 2011.

Compositor e um grande intérprete da guitarra portuguesa, tocou com Amália Rodrigues durante 12 anos.


Natural do Porto, onde nasceu em 1926, aprendeu solfejo e violino com o avô e a tocar guitarra portuguesa com o pai.


Foi electricista de profissão, até ao início da década de 60, primeiro na região Norte e mais tarde em Lisboa.


Recebeu o Prémio “Amália Rodrigues Melhor Compositor de Fado”, em 2005.


Conforme lembrou hoje o Presidente Republica em mensagem de condolências enviada à família do guitarrista, Fontes Rocha era uma “figura carismática da música popular portuguesa” e o seu desaparecimento representa uma “enorme perda” para a cultura portuguesa.


terça-feira, 16 de agosto de 2011

OLHÃO - CAPITAL DO MARISCO

Há 25 anos que Olhão acolhe o maior festival de marisco do país.

Os apreciadores da gastronomia algarvia podem aqui deliciar-se não só com o marisco (que é a estrela principal deste evento), mas também com outros pratos, doçarias e vinhos da região.

Para animar as noites do Festival, é evidente que há muita música, feiras de artesanato, espaços de lazer e belíssimos espectáculos.

Ontem, dia 15 de Agosto foi, oficialmente, o último dia deste Festival, mas....., esta noite, tal como tem sido habitual em anos anteriores, há “FADO VADIO” no Jardim do Pescador, mesmo, mesmo juntinho à Ria Formosa....

Para quem gosta de ouvir fado, é um espectáculo a não perder.......

Vamos então esta noite aos fados?????

Porque o Fado é Vadio, mas ele vai lá estar e acreditem que são muitas as bonitas vozes que por lá aparecem......

domingo, 14 de agosto de 2011

SENTIR MEDO........


Quem não sente medo??
Quem nunca sentiu medo, pavor, de alguma coisa? de alguma situação?


Parece que toda a gente sente por “companheiro” esse sentimento tão profundo e complexo como a própria vida, “O MEDO”…..


Há quem defenda que sentir medo é um acto de cobardia, mas eu não partilho dessa opinião, considero que é um reflexo normal do nosso inconsciente a tudo aquilo que é novo, que é desconhecido para nós….


Acho mesmo que, não obstante tratar-se de uma sensação demasiado complexa, sentir medo é sinal de que se está vivo….., mas em abono da verdade se diga que, é terrível sentir medo e, apesar de ser um sinónimo de VIDA......, o mal que isso nos causa !!!....., o estrago que isso nos faz !!!....


Mas a vida é feita de bem e de mal e por isso mesmo não temos como escapar a eventuais situações de medo….e o melhor que há a fazer quando surgem “os medos”, é enfrentá-los………

Isto dito assim, desta forma, até parece que é fácil, o pior é quando sentimos ou pressentimos que os medos se aproximam…….., MAS.....



sábado, 13 de agosto de 2011

O MURO DA VERGONHA



O MURO DA VERGONHA

 Foi há precisamente 50 anos, no dia 13 de Agosto de 1961 que foi erguido em Berlim o muro que separou o sector oriental da cidade (ocupado pelos soviéticos) e os sectores ocidentais (ocupados pelos EUA, Inglaterra e França), desde o final da II Guerra Mundial.
Quanta infelicidade criada na cidade de Berlim com a construção deste muro???

Tantas famílias divididas, tantas vítimas, tanto sofrimento…..

E hoje?  O que resta desse muro?


Uma grande parte desapareceu. Existem apenas fragmentos, para turista ver e imaginar o que foi o verdadeiro horror daquela divisão….


sexta-feira, 12 de agosto de 2011

DIA 12 DE AGOSTO


DIA 12 DE AGOSTO


É o 224º dia do ano no calendário gregoriano (ou o 225º em anos bissextos).

Muita coisa há certamente para recordar neste dia….., algumas delas boas, inesquecíveis mesmo, outras talvez nem por isso, outras há que talvez até já nem nos lembremos delas….

Mas posso referir algumas efemérides, com algum interesse para quem é dado a recordações:


·       No dia 12 de Agosto de 1953, teve início a GUERRA FRIA,  A União Soviética detonou a sua primeira Bomba de Hidrogénio, precisamente um ano depois de os EUA terem testado o primeiro artefacto desse tipo;



·       No dia 12 de Agosto de 1984, Carlos Lopes conquistou a 1ª Medalha de Ouro para Portugal, nos Jogos Olímpicos de Los Angeles;


·       No dia 12 de Agosto de 2000, dá-se o naufrágio do submarino russo KURSK, com 118 marinheiros, no mar de BARENTS;


·       No dia 12 de Agosto de 2009, nos EUA ocorreu uma chuva de meteoros, chamada de “PERSEÍDES”;



·       E para terminar este pequeno rol de efemérides, porque não recordar o nascimento de um dos mais importantes poetas e escritores portugueses do Século XX, MIGUEL TORGA, pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha, nascido no dia 12 de Agosto de 1907, em São Martinho de Anta,  num local paradisíaco nas encostas do Douro…..


quinta-feira, 11 de agosto de 2011

"ANSIEDAD"


NAT KING COLE, nasceu em 17 de Março de 1919 e faleceu em 15 de Fevereiro de 1965.

Lembro-me de ter sido um músico e cantor muito apreciado e ouvido no seio da minha família.

Quando ele morreu eu tinha apenas 13 anos de idade, mas, desde muito cedo, aprendi a gostar das suas canções, porque a minha avó materna adorava ouvi-lo cantar…, era o seu ídolo e por sua vez, a minha mãe, que era muito dada às cantorias, trauteava todas as melodias por ele interpretadas, daí que, lá em casa ele tivesse um lugar de destaque….

Ainda me lembro de muitas das canções que então eram ouvidas  em família, nomeadamente: “Quizás, Quizás” – “Perfidia” – “Mona Lisa” – “Ansiedad” – “ojos verdes” – “unforgettable” entre outras….

Na verdade as suas músicas românticas tinham um toque especial e a sua voz “quente” associada ao piano, fez dele um artista de grande sucesso.

Hoje, não sei porquê, apeteceu-me ouvir “ANSIEDAD”




quarta-feira, 10 de agosto de 2011

REGRESSO ÀS ORIGENS


Esta tarde, enquanto por alguns momentos descansava num espaço com boa sombra e alguma frescura, devido à vegetação que o envolve (e que precisamente corresponde às minhas origens), dei comigo a pensar, como será regressar às origens, quando deixamos passar muito tempo (alguns bons anos) sem voltarmos ao local onde nascemos, brincámos, vivemos  ?????

Como será estar, por exemplo, diante da casa onde crescemos, onde toda a família mais próxima viveu, diante da escola onde aprendemos as primeiras letras, onde fizemos os primeiros amigos, o local de onde temos tantas recordações, da infância, da adolescência, da juventude ???

Não consigo imaginar o que eu sentiria, porque nunca me aconteceu ter de estar ausente muito tempo, contudo, recentemente “vivi” essa experiência mas de alguém que, depois de muitos anos, voltou a pisar aquele chão, a passar por aquelas ruas, a olhar para aqueles edifícios que durante tantos anos foram a essência da sua vida…..
Foi certamente um sentimento muito profundo que invadiu aquele coração, porque eu própria, estando ali pela primeira vez, senti algo inexplicável, como se fosse uma enorme saudade !!!! Uma estranha saudade !!!!!
Como se fosse possível sentir-se saudade de alguma coisa que nunca se conheceu!!!!!

Acredito que, em tais circunstâncias, é possível fechar os olhos e, por breves instantes, passa pela nossa mente o filme de quase toda a nossa vida…..

É bom regressarmos de vez em quando….

Afinal, recordar é viver……

EM TEMPO DE FÉRIAS........


Não há dúvida que, em tempo de férias, nada melhor do que procurar locais agradáveis que nos proporcionem bons momentos de descanso e lazer, sobretudo em contacto com a natureza.
E, para quem está sempre disposto a quebrar a rotina, existe uma maior probabilidade de estar muito atento a todas as ”dicas”, quer de revistas da especialidade, quer através da net, ou até mesmo dos amigos, para a existência de sítios paradisíacos onde se possa alcançar tais objectivos.
Assim e muito embora nesta altura do ano a maior procura seja o Sul do País, atendendo a que as temperaturas estão demasiado elevadas, porque não um saltada até ao Minho, mais concretamente a Guimarães, classificada pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade e Capital Europeia da Cultura 2012 ??????
Ora bem….e acho que é uma óptima escolha, dado que, o CLUBE PARAÍSO GUIMARÃES, que nasceu de uma antiga quinta rural e que se situa no coração do Minho, usufruindo da bela natureza que lhe é natural, muito próximo da cidade, tem óptimas condições para oferecer aos seus clientes….

Vejamos então algumas fotos para aguçar o apetite e começar a pensar em fazer as malas……



E que tal?
Não acham que vale a pena????

terça-feira, 9 de agosto de 2011

AS PEDRAS


AS PEDRAS



As pedras falam? pois falam
mas não à nossa maneira,
que todas as coisas sabem
uma história que não calam.

Debaixo dos nossos pés
ou dentro da nossa mão
o que pensarão de nós?
O que de nós pensarão?


As pedras cantam nos lagos
choram no meio da rua                                              
tremem de frio e de medo
quando a noite é fria e escura.

Riem nos muros ao sol,
no fundo do mar se esquecem.
Umas partem como aves

e nem mais tarde regressam.

Brilham quando a chuva cai.
Vestem-se de musgo verde
em casa velha ou em fonte
que saiba matar a sede.


Foi de duas pedras duras                        
que a faísca rebentou:
uma germinou em flor
e a outra nos céus voou.

As pedras falam? pois falam.
Só as entende quem quer,
que todas as coisas têm

uma coisa para dizer.

Maria Alberta Menéres

sábado, 6 de agosto de 2011

A EVOLUÇÃO DE DARWIN

EXPOSIÇÃO CASA ANDRESEN, JARDIM BOTÂNICO DO PORTO
De 1 de Fevereiro a 17 de Julho de 2011



Foi no período acima referido que esteve aberta ao público a exposição em apreço, sobre a história da evolução desde o Século XVIII até aos nossos dias.

A partir de uma recriação da viagem do BEAGLE, percebemos como Charles Darwin chegou à teoria da Evolução por Selecção Natural e convenceu o mundo de que todas as espécies evoluíram a partir de um ancestral comum.

DARWIN tinha apenas 22 anos quando iniciou a maior aventura da sua vida:


Uma viagem à volta do mundo durante 5 anos, a bordo de um navio chamado Beagle.


Sem as observações realizadas durante esta viagem, DARWIN nunca teria formulado a referida teoria da Evolução por Selecção Natural.




No Século XIX esta teoria já era considerada um facto pela Comunidade Científica.

Valeu a pena visitar.......

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

TERMAS DE CALDAS DE MONCHIQUE


CALDAS DE MONCHIQUE é conhecida desde a ocupação romana, pelas propriedades sulfurosas das suas águas termais, que fluem do subsolo a uma temperatura de 32ºC.
Estas termas, muito apreciadas pela aristocracia no Século XIX, vivem hoje mergulhadas num ambiente de calma contemplativa.


Situa-se na serra de Monchique, a cerca de 1km da Vila de Monchique e é o único complexo termal localizado no Algarve.
As águas de Monchique são consideradas medicinais desde há longos anos.


Já os Romanos aqui tinham construído um balneário e desfrutaram da beleza e qualidade do local. Nessa altura as águas foram apelidadas  de “Águas Sagradas”, que faziam dele, e ainda hoje fazem, um dos melhores locais para passar umas férias repousantes e saudáveis, longe da azáfama algarvia na época balnear.
Com uma vegetação luxuriante, onde inclusivamente existe a maior magnólia de toda a Europa, é um local calmo, perfeito para os dias quentes de verão, onde, miraculosamente, respirar o ar puro e húmido da serra…..
 

É bastante agradável uma estadia, ainda que breve, por estas paragens…
Vale mesmo a pena…..