sexta-feira, 27 de maio de 2011

PEDRO HOMEM DE MELO


Era um homem de porte altivo, aristocrata, testa alta, olhos tristes mas brilhantes que davam vida ao seu rosto magro e esguio.

Nasceu no Porto em 1904 e morreu na cidade que o viu nascer, em 1984, no entanto AFIFE (VIANA DO CASTELO), foi a terra da sua adopção.

Lá viveu durante muitos anos, num local paradisíaco denominado "CONVENTO DE CABANAS".

                                                   (Convento de Cabanas)

e foi aqui que escreveu parte da sua obra, “cantando” os costumes e as tradições de Afife e da Serra de Arga.

                                                          (Serra de Arga)

Foi um poeta, professor e folclorista português.

Apesar de ter nascido no seio de uma família fidalga e desde muito cedo ter sido imbuído de ideais monárquicos, católicos e conservadores, foi sempre um sincero amigo do povo e a sua poesia é disso reflexo.

Foi um entusiástico estudioso e divulgador do folclore português, tendo criado e patrocinado diversos ranchos folclóricos minhotos.

Durante os anos 60 e 70 foi autor e apresentador de um popular programa na RTP, sobre folclore.

Gosto de todos os seus poemas, mas este, “obrigado” é para mim especial:


OBRIGADO!

Por teu sorriso anónimo, discreto
(o meu país é um reino sossegado)
Pela ausência da carne em teu afecto.
Obrigado!


Pelo perdão que o teu olhar resume,
Por tua formosura sem pecado,
Por teu amor sem ódio e sem ciúme,
Obrigado!


Por no jardim da noite, a horas más,
A tua aparição não ter faltado,
Pelo teu braço de silêncio e paz,
Obrigado!

Por não passar um dia em que eu não diga
- Existo, sem futuro e sem passado.
Por toda a sonolência que me abriga…
Obrigado!

E tu, que hoje és meu íntimo contraste,
Ó mão que beijo por me haver cegado
Ai! Pelo sonho intacto que salvaste
Obrigado! Obrigado!
Obrigado!


3 comentários:

  1. É bom recordar-nos gente tão ilustre...

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Há dias, numa cerimónia a que assisti, foi declamado um verso deste Senhor:
    "tenho viagem marcada
    não sei quando a farei
    sei que não levo nada
    levo apenas o que dei!"
    Só por curiosidade, falei com este Senhor uma vez, quando ele era professor na escola industrial Infante D.Henrique, no Porto. Era eu um jovem.
    Tinha um porte majestoso, voz grave, muito educado, falando muito bem.
    Neste artigo recordei este excelente poeta, esta admiravel pessoa.
    Parabens.

    ResponderEliminar
  3. Conheci muito bem este Senhor, de porte altivo, testa alta e olhar triste. Sua esposa, D.Maria Helena Pampola Homem de Melo, foi minha professora. Morei na mesma rua que ele e, abri-lhe alguns maços de tabaco, porque já não via para o fazer! sua voz bem grave e bem timbrada, denunciava-o em qualquer lugar.
    Educação esmerada,Professor, Poeta e folclorista, homem que também foi do povo, sem ser povo, merecia, merecia, merecia, ser lembrado
    sem favor algum!!! Até qualquer dia Dr. Pedro Homem de Melo.

    Iolanda Bragança Duarte

    ResponderEliminar