sábado, 28 de junho de 2014

Um ilustre da Golegã......!!!




Um dos Maiores Fotógrafos de sempre……

Numa visita efectuada há mais de ano, à Vila Ribatejana da Golegã, tive a oportunidade de, pela segunda vez, visitar a Casa-Museu Carlos Relvas e voltar a ouvir falar da vida deste Ilustre da Golegã, não só através das exposições aí existentes, como também percorrendo tudo o que se situa nas proximidades deste "chalé".
Carlos Relvas, uma das personalidades mais populares e famosas de Portugal, nasceu na Golegã, em Novembro de 1838, no “Palácio do Outeiro”…

O seu pai (um proprietário rico da Beira Interior que se instalou com sucesso no Ribatejo), dera-lhe a melhor instrução da época….
Educado por professores particulares, aprendeu línguas e ciências, mas as actividades ao ar livre muito cedo o fascinaram, distinguindo-se, entre muitas outras, na modalidade de equitação….
Ainda muito novo casou-se com a Jovem Margarida Mendes de Azevedo, filha dos Viscondes de Podentes, de cuja união nasceram cinco filhos.
Como era um apaixonado por fotografia, mandou construir no jardim da sua residência do Outeiro, uma grandiosa e magnífica casa-estúdio, hoje “CASA MUSEU”…



Mas além de fotógrafo Carlos Relvas foi também político, lavrador, criador de cavalos, cavaleiro, inventor e músico.....

Enquanto administrador das propriedades da família, revelou-se um agricultor muito dinâmico e influente, tendo introduzido neste sector, máquinas pioneiras e avançados processos de produção, na sequência das inúmeras viagens que fazia pela Europa e que lhe permitiam um conhecimento mais alargado do que se fazia noutros países e que ele não hesitava em pôr em prática, tanto nos seus terrenos como em toda a Golegã e terras limítrofes.
Era um monárquico convicto e, no coração das suas terras, impunha-se pela fortuna, talento e carisma.
Como criador de gado e produtor azeite, mel e vinho, exportava os seus produtos, tendo sido distinguido em várias exposições internacionais do sector, como as de Viena, Filadélfia e Paris.

Também nas lides tauromáquicas Carlos Relvas obteve assinalável êxito, tendo chegado mesmo a ter uma praça de touros na Golegã…

Sempre com uma necessidade de inventar e descobrir, alarga essa sua faceta, não só à fotografia, mas também a outras áreas, tendo concebido e construído um “bote salva-vidas” revolucionário, designado por “o sempre em pé”, pois tinha a particularidade de voltar à posição inicial sempre que se virava.

Em 1887 morre a sua esposa, Margarida e decorrido um ano volta a contrair matrimónio com Mariana Correia, uma decisão que não foi bem aceite, especialmente pelo seu filho José Relvas que vende a casa da família à Câmara da Golegã e muda-se para Alpiarça.
É nessa altura que Carlos Relvas e sua mulher Mariana passam a viver numa parte da casa-estúdio, entretanto adaptada a residência e é aí que o maior fotógrafo de sempre vem a falecer no dia 23 de Janeiro de 1894, vítima de uma septicemia, contraída na sequência de um acidente de cavalo nas ruas da Golegã...

O Video que se segue mostra alguns pormenores da referida casa e também das paisagens envolventes......



Mas o que é curioso é que, há poucos dias, numa visita ao "Centro Internacional das Artes José Guimarães" (em Guimarães), fui encontrar uma grandiosa exposição, denominada "CARLOS RELVAS/UM HOMEM TEM DUAS SOMBRAS", com muitos dos trabalhos deste grande fotógrafo, realizados no período compreendido entre 1838 e 1894...!!!

São verdadeiras obras de arte que me deixaram fascinada....
Não há palavras para descrever....!!!
É preciso ver....!!!
É realmente uma exposição que se recomenda vivamente.....!!!

9 comentários:

  1. Que sorte teve, foi como dois em um, Guimarães e lá Carlos Relvas.
    Parabéns e grato por tão oportuno comentário (ilustrado com suas boas fotos)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois foi caríssimo Prof. Lourenço. Foi mesmo um "dois em um"...
      Quando entrei naquele espaço estava longe de pensar que iria ali encontrar tão grandiosa exposição.
      Vale mesmo a pena apreciar tão belos trabalhos (a perfeição, o rigor, as técnicas fotográficas, tudo pode ser apreciado em cada uma daquelas verdadeiras obras de arte.
      E então ver fotos que nos mostram aquele estúdio fotográfico que já visitámos (agora como museu), e o chalé (parte exterior), mas naquela época (seculo XIX), que nos mostram a "vida" naquela época, é qualquer coisa de extraordinário, que s mim me deixou "de alma lavada".....
      Boas férias...

      Eliminar
  2. Parabéns pelo artigo e pelo video.
    Na verdade deve ter sido uma agradável surpresa encontrar tão importante exposição fotográfica.
    Hoje estamos todos mais despertos para este tema!
    Quem sabe é desta vez que o nosso prof se decide a ir ao Norte...mas já tem pouco tempo.
    Boas férias para a autora e leitores deste interessante blog.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo seu comentário....
      Foi sem dúvida uma agradável surpresa encontrar ali aquela maravilhosa exposição...
      Quanto ao nosso Prof decidir ir ao Norte para todos apreciarmos aqueles fantásticos trabalhos, também me parece que já não irá a tempo, a menos que a exposição continuasse para o próximo ano lectivo.., mas creio que não...
      De qualquer modo acho que continua de pé aquela idéia de irmos fotografar a cidade do Porto.... !!!
      Vamos ver se o Prof estará para aí virado.....
      Boas férias....

      Eliminar
  3. Sempre que "visito" este blog estou sempre a aprender. Um abraço à sua autora. Joaquim Cosme

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo seu comentário Sr. Cosme
      Um abraço

      Eliminar
  4. Sempre que "visito" este blog estou sempre a aprender. Um abraço à sua autora. Joaquim Cosme

    ResponderEliminar
  5. O segundo comentário do joaquim Cosme, que está repetido, pode ficar para mim...
    Penso o mesmo
    Abraço

    ResponderEliminar