quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Árvores do Alentejo....!!!!


Árvores do Alentejo
Horas mortas... Curvada aos pés do Monte A planície é um brasido e, torturadas, As árvores sangrentas, revoltadas, Gritam a Deus a benção duma fonte! E quando, manhã alta, o sol posponte A oiro a giesta, a arder, pelas estradas, Esfíngicas, recortam desgrenhadas Os trágicos perfis no horizonte! Árvores! Corações, almas que choram, Almas iguais à minha, almas que imploram Em vão remédio para tanta mágoa! Árvores! Não choreis! Olhai e vede: --- Também ando a gritar, morta de sede, Pedindo a Deus a minha gota de água! Florbela Espanca


6 comentários:

  1. Nas minhas experiências, voltei a publicar o que não devia.
    Desculpe esta falha....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ok Andrade...
      Mas continuo curiosa quanto aos "painéis de Faro".
      Tenha um bom domingo
      Albertina

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Obrigada Leandro
      Uma boa semana para si...
      Albertina

      Eliminar
  3. Gosto deste soneto. Até já o publiquei no jornal das Águas de Lisboa há vários anos.. Um abraço Albertina. Joaquim Cosme

    ResponderEliminar